João Carlos Silveiro

Estruturação do setor jurídico  

Como parte do processo de crescimento e estruturação administrativa posto em prática pelo Grupo Iochpe com grande intensidade nos anos 1970, ocorreu a criação de um departamento jurídico corporativo, responsável pela centralização das questões jurídicas das empresas da companhia. Um dos responsáveis pela organização e implantação da nova área foi o advogado, nascido em 9 de maio de 1933, João Carlos Silveiro. Ele recorda este momento: 

“Primeiro eu era advogado externo da companhia, a Iochpe era uma das minhas clientes, eu atendia no meu escritório em Santa Cruz, por coincidência no mesmo prédio da Iochpe. Aí eu recebi um convite do Ivoncy Ioschpe para organizar o jurídico da empresa, eles iam bem em vários setores, mas o jurídico deles era ainda muito complicado. Na época eles eram citados como sendo a maior exportadora de pinho da América do Sul, a madeireira era ainda o forte deles, mas o Banco já crescia e precisava de uma coisa maior, mais estruturada. Em pouco tempo chegamos a ter uma equipe com dezesseis advogados”. 

 

Evolução do Grupo Iochpe no setor financeiro 

A mudança da legislação referente às instituições financeiras abriu possibilidades de novos grupos atuarem no setor, dinamizando o segmento a partir dos anos 1960. Silveiro participou da evolução do Grupo Iochpe neste novo cenário: 

“A financeira do Grupo Iochpe cresceu bastante, permitindo que comprassem um Banco de Investimento, passando a atuar também nesta modalidade. Estas instituições financeiras do Grupo então ficaram grandes, viraram Banco Crefisul, Banco Iochpe… foi também feito um banco de investimento, depois mais adiante um banco comercial, uma leasing, uma seguradora…”. 

Ele relata que a Iochpe participou deste momento pioneiro da economia nacional, de disponibilização de crédito direto ao consumidor, prática que se popularizou intensamente nas décadas seguintes.  

“Nos anos 1970 a indústria brasileira começou a crescer e não tinha financiamento direto para o consumidor adquirir casa, veículos, carros… Aí o Banco Iochpe foi insuperável, foi um banco de investimento que funcionava como um relógio. O dinheiro não era barato, eles não emprestavam barato, mas era um crédito descomplicado, rápido, porque quem concedia o crédito, concedia praticamente na hora, era questão de um dia ou dois, o cidadão já levava o dinheiro dele, então essa velocidade, essa agilidade, essa eficiência é que rendeu ao Banco Iochpe de Investimento uma posição muito importante no mercado, atuando também em Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro…” 

 

Aquisição da Massey Ferguson 

Silvério foi o advogado que cuidou da parte jurídica da aquisição da Masey Ferguson, que fez o Grupo Iochpe definitivamente focar em sua nova vocação industrial. A oportunidade da compra foi via banco, que, a princípio como prestador de serviço, identificou uma grande chance de o Grupo desenvolver sua atividade industrial. As negociações duraram cerca de um ano, como conta: 

“Apareceu para o Banco Iochpe uma oportunidade… Fomos consultados para estudar o problema da Massey Ferguson Perkins S.A., era então o nome da empresa, que apareceu como cliente para fazer uma reorganização, uma reestruturação, porque como eles eram empresa controlada por um grupo canadense, não podiam receber financiamento das grandes fontes de financiamento brasileiro, principalmente do BNDES. Então perceberam que a solução era se nacionalizar, fazer que o grupo passasse a ser um grupo brasileiro e o Grupo Iochpe achou que a oportunidade era grande, adquiriu e organizou aquilo tudo – desenvolveu a empresa, aumentou a rede de vendas… Isto mudou o Grupo Iochpe de patamar, eles passaram de tradicional madeireira, com seguimento financeiro de certo porte, para o setor industrial, e foram muito bem nisso. Eles fizeram chover nesse setor! Foi uma operação muito complicada, eu fui o advogado que cuidei da parte jurídica, foi uma negociação citada como exemplo ainda hoje, tanto no Rio de Janeiro como em São Paulo, algo que nunca tinha sido feito aqui no Brasil, com institutos jurídicos modernos e sofisticados e inovadores para a época”. 

 

Instalação do Conselho de Administração 

Silveiro também participou de outro momento relevante e pioneiro na história do Grupo Iochpe, quando a empresa abriu seu capital na Bolsa de Valores, em 1984, e criou o Conselho de Administração: 

“O Conselho de Administração era basicamente feito pelos quatro acionistas controladores… Ele foi criado quando o Grupo começou a crescer, exatamente com a abertura do capital, em 1984, seguindo a Lei das S/A, que diz que as companhias abertas obrigatoriamente têm que ter um Conselho, então quando o Grupo abriu o capital  e passou a emitir ações, o Conselho começou a existir”. 

 

Qualidades do empreendedor Ivoncy Ioschpe 

Silveiro conviveu por décadas com Ivoncy Ioschpe, um dos líderes do Grupo Iochpe que promoveu o grande crescimento e diversificação das atividades da companhia. Ele relembra as qualidades do empreendedor nato: 

“O Ivoncy é uma pessoa irrequieta, ele está sempre assim vislumbrando algo, acho que uma das melhores qualidades dele é esta, ele é criativo e é veloz nas coisas, ele não é um empresário típico do Rio Grande do Sul, aqui a gente pensa uma coisa, depois repensa daqui a um mês, depois vai fazer daqui três anos, ele não, ele pensa hoje, amanhã tem que estar pronto. Realmente, o Ivoncy era de uma competência, de uma criatividade, uma eficiência, uma velocidade absolutamente extraordinária, tanto que cresceu extraordinariamente. Ele exercia a liderança de conseguir que pessoas com qualidade ‘vestissem a camisa’ da empresa”.