Iochep

Francisco Antonio de Souza Manso

A tradição da FNV  

Francisco Manso ressalta o valor do nome e a importância histórica da FNV no mercado. 

 

“A FNV foi montada por volta de 1943 por ferroviários e foi também responsável por fabricar no Brasil as primeiras autopeças grandes, como chassis, longarinas, prensas… Nós estamos aqui, em Cruzeiro, próximos da CSN – Companhia Siderúrgica Nacional, por motivos estratégicos mesmo. Então nós começamos junto com a história da indústria nacional lá nos anos JK – Juscelino Kubitschek. Por sinal foi ele quem inaugurou as nossas instalações.”  

 

Mudança da cultura corporativa após aquisição da FNV pela Iochpe-Maxion 

Francisco comenta sobre o salto de qualidade administrativa com a aquisição da FNV pelo Grupo Iochpe. 

 

“Entrei para a equipe, ainda era FNV, em junho de 1978. Fui contratado para trabalhar na fabricação de vagões. Iniciei como engenheiro de qualidade. Em 1980 fui promovido e me direcionei para a área de autopeças. Naquela época a parte de vagões era muito forte, era o que dava dinheiro. A parte de autopeças era deficitária, dava prejuízo, não conseguíamos atingir os resultados, não recebíamos muitos investimentos. Era uma administração antiga, em que a alta direção da empresa ficava longe. Quando o controle acionário da FNV foi adquirido pela Engesa, empresa de engenheiros especializados na fabricação de armamentos, tanques etc., já surgiu um profissionalismo maior. A Engesa não colocou aqui dentro investimento, mas trouxe uma administração mais profissional, mais técnica, mas ainda incipiente. Quando a Iochpe entrou, aí sim tornou-se uma empresa extremamente profissional, que investia no negócio e acima de tudo tinha uma visão administrativa muito boa. A Iochpe trouxe um conceito administrativo diferente, implantou uma política de extrema confiança nos profissionais, e de investimento nesses profissionais. Hoje estamos todos perto, juntos, no mesmo núcleo. Desde então, nós nunca deixamos de ser atendidos pela diretoria da Iochpe quando apresentávamos um projeto. E, como todo projeto tem riscos. O grupo aceitou esses riscos e os projetos viraram sucessos. A parte de chassis evoluiu tremendamente, a de estampados também. A Iochpe hoje está num boom, numa condição tão forte que atingiu um nível excelente de profissionalismo, de nome no mercado, de conhecimentos, de qualidade, de compromisso com a entrega, com prazos, enfim, hoje é uma empresa extremamente respeitada aqui e lá fora. A Iochpe então trouxe a mentalidade profissional, enxugou a empresa, fez uma limpeza, colocou as áreas próximas umas das outras, criou uma engenharia industrial…”