Evolução na produção de rodas

Após a aquisição da planta industrial em Cruzeiro da FNV – Fábrica Nacional de Vagões, em 1990, que já fabricava rodas, a Iochpe-Maxion aplicou de maneira estratégica um plano de crescimento para este segmento, que, após quase três décadas, mostrou-se extremamente bem-sucedido.

Foi aplicado um plano de crescimento de produção, de aumento de vendas, de investimentos em tecnologia e melhoria de processos, e de busca de clientes no exterior. A produção de rodas em 1990 girava em torno de 400.000 por ano. O plano inicial para poder competir de maneira forte no exterior era aumentar a produção para cerca de um milhão por ano.

Percebendo a potencialidade desse segmento, a Iochpe-Maxion decidiu pela descontinuidade da linha de produção de carretas da marca Fruehauf em Cruzeiro, e utilizou essa planta industrial para a expansão da linha de rodas. A então chamada “divisão de autopeças” foi a responsável pela aplicação das mudanças. Uma nova tecnologia de revestimento conhecida como e-coat foi aplicada nas linhas de produção, tornando o produto aceito e competitivo. Mas os investimentos se concentraram na produção de rodas sem câmaras, novidade sobretudo no mercado brasileiro, e com bastante aceitação no mercado externo.

Em 1992 a Iochpe-Maxion realizou a compra de uma linha de produção de rodas sem câmaras para caminhões, ônibus e máquinas agrícolas da tradicional fabricante Fumagalli. A linha, semi-nova, proporcionaria cerca de 30.000 rodas por mês, consolidando a empresa como um importante player do setor.

Mantendo seu plano de expansão no segmento, em 2001 a Iochpe-Maxion adquiriu da Hayes Lemmerz os ativos industriais da Borlem S.A. Empreendimentos Industriais relacionados à produção de rodas de aço para máquinas agrícolas e veículos “off-road”.

Já em 2009 a Companhia adquiriu a própria Fumagalli, pertencente, na época, ao Grupo Arvin Meritor, com plantas industriais no Brasil e no México. Surgia assim a chamada “Divisão Fumagalli”. No ano seguinte, visando aumentar sua capacidade de produção no México, a Companhia adquiriu os ativos relacionados aos negócios de rodas da Nugar S.A.P.I. de C.V., empresa mexicana controlada do grupo CIE Automotive.

Quando a Iochpe-Maxion adquiriu os negócios globais da Hayes Lemmerz e do Grupo Galaz, em 2012, unificou a administração de suas unidades no segmento de produção de rodas criando uma nova divisão – a Maxion Wheels. Atualmente, consolidado o programa de expansão e internacionalização, a Maxion Wheels produz e comercializa ampla gama de rodas de aço para veículos leves, comerciais e máquinas agrícolas e rodas de alumínio para veículos leves. São mais de sessenta e cinco milhões de rodas por ano nas 23 plantas industriais existentes em 12 países.